Autor

Luciano Gonçalves

Data: 21/11/2020

Diálogo e sensatez

Em oito meses, o desporto em Portugal já perdeu aproximadamente 200 mil atletas.
Este número só por si já é grave, mas devemos olhar além dos números. Aqui só estamos a falar dos federados das diversas modalidades que não podem competir.

Mas quantos praticantes não federados estão também parados? E no desporto social? O que andam a fazer as centenas de jovens desfavorecidos que tinham no desporto o refúgio a ambientes desviantes?

Os psicólogos dizem que tudo isto tem sido uma montanha-russa em termos emocionais para os jovens praticantes. A confusão instalada e a ansiedade por não poder fazer o que mais gostam estão a levar muitos deles à frustração e revolta.

As decisões da DGS para o Desporto só demonstram que infelizmente não conhecem minimamente a realidade no terreno e só fazem que a cada dia se tentem algumas ‘artimanhas’, arriscando ainda mais a saúde dos atletas.

A DGS proíbe competições ou treinos de formação, mas ao mesmo tempo está a existir um aumento abissal de testes para que os clubes consigam colocar mais jovens a jogar nos escalões seniores.
E isto acontece porque as medidas impostas são castradoras. Estamos a destruir décadas de trabalho.

A DGS tem de ter mais sensibilidade. É gravíssimo o que estamos a passar e as decisões são muito difíceis. Tudo isso é verdade, mas com diálogo, abertura para ouvir outras áreas e uma grande dose de sensatez, será mais fácil e poderá doer menos.

Fonte: Record