Autor

Jorge Faustino

Data: 19/02/2021

Ameaças? É só triste.

Ainda sobre o caso Luis Diaz. No dia do jogo escrevi: “David Carmo chegou atrasado para tentar jogar a bola e colocou o pé na zona onde Luis Diaz ia (tinha de) pousar/apoiar o pé após rematar. Lance infeliz, com consequência grave, mas sem “culpa”/infração de Luis Diaz. Vermelho mal exibido.” No dia seguinte fiz uma alteração no ângulo da minha análise, escrevendo: “Não concordo com esta interpretação (a da UEFA, que em lances semelhantes defende o vermelho). Não acho que seja o que o futebol espera. Mas não posso criticar um árbitro que decidiu com base nos pressupostos e indicações que recebeu.”

Ontem, e para concluir, lemos no Record que o CA “compreende e aceita a decisão” de Luís Godinho, mas que a interpretação das indicações dadas aos internacionais não foi feita da melhor forma. Concluindo: aceita-se naquele contexto, daqui para a frente será diferente. Ok, estamos falados!

Sobre o que se passou depois disso, é tudo muito triste.

É triste este futebol onde alguns clubes acham que pode valer tudo para disfarçar insucessos próprios.

É triste o silêncio das estruturas da arbitragem que, ao nada dizerem, contribuem para o arrastar do clima de crispação.

É triste termos tantos energúmenos a ameaçar árbitros e até comentadores de arbitragem. Nenhum insulto ou ameaça me vai desviar da seriedade com que desempenho o meu papel. E acredito que nenhum insulto ou ameaça faça com que um árbitro, em campo, deixe de decidir em consciência.

Fonte: Record