Liga reforça poderes dos Observadores dos Árbitros

Após seis horas de discussão, a Assembleia-Geral da Liga, presidida por Valentim Loureiro, aprovou ontem várias alterações ao Regulamento de Arbitragem, com destaque para as normas que impedem, já a partir de 2008/09, qualquer tipo de ingerência dos clubes nas classificações dos árbitros.
Ao contrário do habitual na última década, as direcções dos clubes e SAD, bem como os próprios árbitros, ficam inibidos de contestar e pedir a revisão das notas dadas pelos observadores aos árbitros, embora possam reclamar do teor do relatório de jogo.
O conteúdo dos relatórios serão avaliados pelo Conselho de Arbitragem e decisivos para a classificação dos observadores, mas em caso algum haverá alteração das notas dos árbitros por pressão dos dirigentes, que em regra eram postas em causa tendo por base a análise televisiva de lances polémicos dos jogos.
Esta medida vem de encontro aos regulamentos da FIFA, onde as decisões dos árbitros e observadores são soberanas. O organismo que tutela o futebol mundial por diversas vezes chamou a atenção da Federação Portuguesa de Futebol para acabar de vez com a interferência dos dirigentes em matéria de arbitragem.
Segundo Antonino Silva, membro da Comissão de Arbitragem da Liga liderada por Vítor Pereira, esta alteração aprovada pelos clubes das competições profissionais "é um voto de confiança" na Comissão Disciplinar", além de uma "enorme vantagem para os árbitros, que deixam de entrar em campo coagidos ou pressionados" pela possível contestação dos dirigentes depois dos jogos.
"A partir de agora os árbitros vão entrar em campo com a cabeça limpa e mais livres para decidir", frisou Antonino Silva, que acrescenta que esta alteração regulamentar também acabará por responsabilizar mais os observadores, cujo desempenho será acompanhado de perto pela Comissão Disciplinar.
in: Expresso
Oiça aqui as palavras de Antonino Silva à Antena 1.