Comunicado da APAF

COMUNICADO
1. Como é do conhecimento público, a APAF condenou, viva e publicamente, as declarações do Treinador do Sporting Clube de Portugal, Sr. Paulo Bento, na Conferência de Imprensa realizada após o jogo de SPORTING-PORTO realizado no passado dia 09, na parte em que as mesmas infringem as normas desportivas.
2. De facto, para além de palavras que constituem uma manifesta falta de respeito pelos Árbitros e pela Arbitragem, foi afirmado e, agora, reafirmado, que, se necessário, deveria ser criado aos Árbitros um “mau ambiente” e que (começava ele a acreditar) que as negativas actuações dos Árbitros são devidas a outras causas que não a mera incompetência técnica.
3. Por causa de essas declarações, a APAF entregou, anteontem, uma denúncia disciplinar desportiva na Federação Portuguesa de Futebol.
4. Por já ter sido efectuada anteriormente outra denúncia do Conselho de Arbitragem da mesma Federação contra o Sr. Paulo Bento – a qual, em geral, é pelas mesmas razões -, foi-lhe instaurado um processo disciplinar pelo Conselho de Disciplina da FPF.
5. A APAF entende por bem reafirmar o que bem sublinhou na referida denúncia: não está em causa este ou aquele Treinador, já que qualquer situação de natureza idêntica será objecto de denúncia disciplinar.
6. De facto, a APAF limitou-se a defender os Árbitros que representa bem como a cumprir a sua função de defesa da disciplina desportiva e, assim, dos valores do respeito, da dignidade, da estabilidade, da segurança e da reputação de TODOS os agentes desportivos do Futebol.
7. Sem prejuízo do reconhecimento do constitucional direito à liberdade de expressão, a APAF, e porque nunca se intromete na competência técnica de outros agentes desportivos, preferiria que a análise técnica dos jogos de Futebol fosse feita nos órgãos internos da FPF e da LIGA, já que o sistema do “bota-abaixo nacional” em locais públicos redunda apenas em nefastos, pesados e duradouros prejuízos para todo o FUTEBOL.
8. A APAF e os Árbitros sempre respeitou e respeitará TODOS os agentes desportivos, mesmos que sancionados pela disciplina desportiva, pois antes de serem agentes desportivos são seres humanos.
9. Apela pois a que, civicamente, TODOS contribuam, em todos os jogos, para o bem-estar, a paz e a tranquilidade de um dos sectores com mais visibilidade pública e valor acrescentado económico, quer em Portugal quer no estrangeiro.
10. E apela a que TODOS cumpram zelosamente as suas funções desportivas, por forma a que, com calma e serenidade e com respeito e compreensão mútuas e recíprocas, se consigam atingir vários objectivos fundamentais: melhor harmonia na sociedade, melhor espectáculo, melhor retorno financeiro para todos, quer os agentes desportivos quer todos os cidadãos em geral e, logo, para todo o Povo de este Portugal imenso e plural.

Lisboa, 15.11.2008
APAF – Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol