Opinião: Doença Nacional (Carlos Daniel)

Doença Nacional
Os narradores e comentadores de televisão, e poderia estender a leitura a quem escreve nos jornais, começam a estar numa posição idêntica à dos árbitros. Ninguém liga ao que dizem durante 80 e tal (ou escrevem sobre os mesmos 80 e tal) minutos de jogo. Só interessam os casos de arbitragem que decorrem na restante meia dúzia (de minutos ou de linha de crónica).
É doentio: os adeptos fazem de cada jogo do seu clube um exercício estatístico de comparação permanente entre o deve e o haver face ao árbitro. Tudo o resto é desvalorizado, numa receita que só pode tender a reforçar a incompetência e o compadrio e a disfarçar a falta de rigor na análise.
Culpados são todos: dirigentes, treinadores, jogadores, árbitros, e os próprios jornalistas e comentadores.

Autor: Carlos Daniel
In: Record