Vítor Pereira: «3.º jogo de Olegário já é excelente»

 Definida arbitragem das quartas

Vítor Pereira congratulou-se hoje com a nomeação de Olegário Benquerença para o Uruguai-Gana, do Mundial’2010, considerando que o primeiro português a apitar três jogos num mesmo campeonato do Mundo está a ter uma “prestação excelente”.
“Se fizesse um jogo seria bom, uma segunda nomeação seria muito bom, o comprimento pleno dos objetivos traçados. O terceiro jogo, independentemente do desempenho, já é uma participação excelente, já excede o expetável desta primeira participação do Olegário, do Bertino (Miranda) e do (José) Cardinal no Mundial”, avançou à Lusa.
Para o presidente do Comissão de Arbitragem da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), a participação do trio luso tem sido de “bom nível”, avançando que Olegário fez “dois jogos com boa qualidade” e com “decisões maioritariamente corretas”.
“A continuidade dele (Olegário) no grupo dos (árbitros) resistentes que chegam até ao final da competição, quer a nomeação para os quartos-de-final não são surpreendentes”, sublinhou o ex-árbitro, que dirigiu dois  jogos no Mundial de 1998 e outros tantos em 2002.
Vítor Pereira não tem dúvidas de que o desempenho de Benquerença nos quartos de final se vai manter “na qualidade dos anteriores”, o que só virá confirmar “o valor intrínseco e médio dos árbitros portugueses, que se podem equiparar aos melhores do mundo”.
“Ficaremos extremamente satisfeitos pela importância que tem para a arbitragem nacional”, reiterou.
O antigo árbitro de Lisboa, que mostrou 21 cartões amarelos e um encarnado nas suas duas participações mundialistas, recorda que a fase dos quartos-de-final começa a ser “muito triste” com a ida para casa das equipas de árbitros.
“O dia em que o grupo se divide pela segunda vez é muito triste. Por exemplo, na sala das refeições as coisas são mais tristes, as pessoas estão mais caladas, mais nervosas, ansiosas, vive-se mais em trio e não em grupo”, recordou.
No entanto, Vítor Pereira lembrou que para este mundial, os árbitros têm dois psicólogos a acompanhá-los, pelo que a gestão do stress que se começa a fazer sentir com mais intensidade é diferente do que acontecia no seu tempo, quando não havia apoio.
“O stress está mais acumulado, aqueles que forem mais fortes mentalmente têm mais probabilidades de ter sucesso. A minha esperança é que agora os árbitros têm dois psicólogos a acompanhar o seu trabalho e serão parte do suporte para estarem ao melhor nível”, frisou.
Olegário Benquerença é o oitavo árbitro português a entrar na fase final de um Mundial, depois de Vieira da Costa (1954), Joaquim Campos (1958 e 1966), Saldanha Ribeiro (1970), António Garrido (1978, 1982), Carlos Valente (1986, 1990), Vítor Pereira (1998 e 2002) e Carlos Matos (2002).
Fonte: Record