As reuniões com a Comissão de Arbitragem

A recente reunião entre a Comissão de Gestão do Belenenses e Vítor Pereira, presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, é um bom exemplo de uma certa atitude e forma de estar que continua sem se alterar no futebol português.
Todos os anos acompanhamos o mesmo filme, interpretado pelos mais diversos intérpretes em nome dos mais diversos clubes: a minha equipa foi prejudicada pelo àrbitro, logo vou falar com a Comissão de Arbitragem.
Invariavelmente, esta reunião acontece, e também invariavelmente nada transparece de significativo, que nos deixe concluir que algo vai mudar, não só na qualidade das arbitragens como também na forma de os dirigentes reagirem aos maus trabalhos dos árbitros. É um filme monótono, repetitivo, e pelos vistos inócuo. Fogo de vista, que na maior parte das vezes terá apenas como relativo mérito fazer esquecer os maus resultados em prol de uma alegada perseguição (?) dos árbitros.
Nesta época desportiva vamos ver isto acontecer mais vezes, e aposto que com os mesmos episódios. Porque, com algum bom senso e cabeça fria, ninguém pensará que é possível, numa reunião, o presidente da Comissão de Arbitragem garantir que os árbitros não voltarão a falhar; assim como também não é possível um treinador garantir a absoluta eficácia dos seus jogadores.

Autor: JOAQUIM SEMEANO
In: Jornal Record